domingo, 15 de julio de 2007

Recuerdan la peli Fight Club, ¿no?...

... bueno, pues el pana que la escribió se llama Chuck Pahlaniuk, y es uno de los nuevos litaratos malditos que están construyendo lo que va a ser la literatura del futuro, o por lo menos están construyendo la parte cínica y sarcástica del futuro arte de escribir. Tiene publicados varios libros de cuentos cortos, suficientes para ser un autor de culto siendo aún joven. En nuestro (país) se editó un compilado, Editorial Debate tiene el mérito. Me encontré este ensayo que no escribió hace mucho. Es un palo.

A Church of Stories by Chuck Pahnlaniuk

In 1998, while in Los Angeles for the filming of Fight Club, I went with friends to the Getty Museum. All those antiquities, the decorative objects, all the galleries of stuff being looked at by hushed tourists, my friends and me. That endless parade of masterpieces, it was too much. Grinding, the way a day of yard sales can be grinding as your eyes find a name for each object, a place in history, a story. Too many famous stories butted together on that hilltop above Los Angeles.
Of course, I turned that day into a story.
In the 1970s, during my childhood, museums were more hands-on. You went to galleries to destroy fine art. You took a sledgehammer and mashed the nose of the Pieta. Or you kissed a picture and left lipstick. You tried to spray paint the Mona Lisa, or planted a bomb that would trash some Miros. These days, of course, the Getty had guards and Plexiglas and motion detectors.
So wandering with my friends, I asked them: "Instead of stealing or attacking established art — what if some frustrated artist tried to sneak his paintings into the world's museums?" This artist would paint each picture, matte and frame it, put two-sided mounting tape on the back and wrap the picture inside his trench coat. He'd arrive like us, then open his coat and stick his work on a wall, right there among the Picassos and Renoirs.
This little yarn became a short story called "Ambition" and a screenplay. The story, about an artist desperate to find his place in history, I wrapped into a novel called Haunted.
This May, "Ambition" and Haunted will be published.
On March 13, the Metropolitan Museum of Art found a lovely, gold-framed portrait of a woman wearing a gas mask, stuck on the wall of their gallery. On March 16, the Brooklyn Museum found a portrait of an eighteenth-century military officer holding a can of spray paint. The Museum of Modern Art found a painting on March 17, depicting a can of cream-of-tomato soup. The Louvre and the Tate museums have found similar paintings stuck on their walls.
According to the New York Times, this is the work of a British graffiti artist named Banksy, who wears a trench coat and fake beard as he hangs his work among the masterpieces. Are we more the same person than we'd like to admit?

A coincidence? Or, are we more the same person than we'd like to admit? My thoughts are so much Are we more the same person than we'd like to admit?
your thoughts that they hardly qualify
as mine. The darkest fantasy you keep buried, someone else will get rich, singing about on the radio.
Is it better to hide your dark idea and hope that all other people do the same, or to depict and share that dark idea?
While writing Fight Club, I talked to friends about the idea of a movie projectionist splicing porn into family films. One friend told me not to use the idea, saying it would prompt people to salt porn into everything. When the book was published, countless people wrote to tell me they'd already been splicing sex into Disney films, pissing into restaurant food, or starting fight clubs. For decades.
Still, do we do more damage when we share our dark fantasies – when we explore them through a story or song or picture? Or when we deny them?
Stories are how human beings digest their lives: by making events into something we can repeat and control, telling them until they're exhausted. Until they no longer get a laugh or gasp or teary eye. Until we can absorb, assimilate even those worst events. Our culture, it digests events by making lesser and lesser versions of the original. After a ship sinks or a bomb explodes — the Original Tragedy — then we have the news version, the television movie version, the talk radio versions, the blog versions, the video game, the Franklin Mint Commemorative Plate versions, the McDonalds Happy Meal version, the one-liner reference on The Simpsons. Echoes that fade.
Then, like the funny story you used to tell at parties, the story that would always get laughs, about how you took acid and ate half a fur coat one night, we stop telling that story. NOT because it stops making people laugh — but because we've digested the event. It's resolved, and telling that story in any form no longer serves the teller.
Maybe why Radiohead no longer plays "Creep" in concert.
Maybe it's why we dream — compulsively telling stories, processing our experience like the food in our guts, even while we sleep.
But the stories we're afraid to tell, to control, to craft — they never wear out, and they kill us.
At least this is what I tell my friends when they ask me to shut up. To not give people any new ideas. This is my story about telling stories about telling stories. My way to digest what I do.
I tell people: The sooner we can tell a story, the quicker we can wear it out and make it a cliché, then the less power the idea will have.
Until the past century, religions used to give us a place to tell even our worst stories. Depict our most-terrible intentions. Once each week, you could turn your sins into a story and tell them to your peers. Or to a leader, who'd forgive you and accept you back into your community. Each week, you confessed, you were forgiven, and you received communion. You never strayed too far outside the group because you had this regular release. Maybe the most important aspect of salvation is having this forum, this permission and audience, for expressing our lives as a story.It would be a forum safe enough for you to look terrible.

It would be a forum safe enough for you to look terrible.
But as church becomes a place where people go to look good — instead of being the one, safe place where they could risk looking bad —
we're losing that regular storytelling forum. And the salvation, redemption and communion it allows.
Instead, now people go to therapy groups, twelve-step recovery groups, chat rooms, phone-sex hotlines, even writers workshops, to turn their lives and crimes into stories, express them, craft them, and in doing so be recognized by their peers. Brought back into the flock for another week. Accepted.
With this in mind: Our need to turn even the darkest parts of life — especially the darkest parts — into stories… our need to tell those stories to our peers… and our need to be heard, forgiven and accepted by our community . . . how about we start a new religion?
We could call this the "Church of Story." It would be a performance place where people could exhaust their stories, in words or music or sculpture. A school where people could learn craft skills that would give them more control over their story, and thus their life. This would be a place where people could step out of their lives and reflect, be detached enough to recognize a boring pattern or irrational fears or a weak character and begin to change that. To edit and rewrite their future. If nothing else, this could be a place where people would vent and be heard, and at that point maybe move forward.
It would be a forum safe enough for you to look terrible. Express terrible ideas.
In modern history, frustrated, powerless people have turned to churches. During the last years of segregation, people found each other in churches and recognized they weren't alone. Their personal problems were not only their own.
This "Church of Story" would give people a forum for connecting. Here, we'd have a regular time and place and permission to tell stories to each other. Instead of ignoring this need or fulfilling it at Starbucks in the window of time created by a cappuccino — or wearing a fake beard and gluing our story on the wall of an art gallery — we could give people the permission and structure they need to gather. To tell stories. To tell better stories. To tell great stories. To live great lives.

Veríssimo : el super Otrova Gomas (con mis respetos para el segundo)

Este escritor es sencillamente brutal. Tiene un sentido del humor elegante sin ser rebuscado y calmadito, más no inocente. Veríssimo es culpable de que varias empresas en las que trabajé hace años vieran como sus resmas de papel desaparecían misteriosamente. Por supuesto, todas se convertían en artículos que imprimía gratis sin la menor consideración para los que pagaban los cartuchos de impresión o con los árboles. El artíclo se los pongo en portugués/brasilero en primer lugar para honrar el texto originial , e segundo porque tampoco nos es tan difícil de entender a los que hablamos castellano, y tercero , porque da ladilla traducirlo a esta hora. Por favor, disfruten...

Homem que é homem

Luis Fernando Verissimo

Homem que é Homem não usa camiseta sem manga, a não ser para jogar basquete. Homem que é Homem não gosta de canapés, de cebolinhas em conserva ou de qualquer outra coisa que leve menos de 30 segundos para mastigar e engolir. Homem que é Homem não come suflê. Homem que é Homem — de agora em diante chamado HQEH — não deixa sua mulher mostrar a bunda para ninguém, nem em baile de carnaval. HQEH não mostra a sua bunda para ninguém. Só no vestiário, para outros homens, e assim mesmo, se olhar por mais de 30 segundos, dá briga.

HQEH só vai ao cinema ver filme do Franco Zeffirelli quando a mulher insiste muito, e passa todo o tempo tentando ver as horas no escuro. HQEH não gosta de musical, filme com a Jill Clayburgh ou do Ingmar Bergman. Prefere filmes com o Lee Marvin e Charles Bronson. Diz que ator mesmo era o Spencer Tracy, e que dos novos, tirando o Clint Eastwood, é tudo veado.

HQEH não vai mais a teatro porque também não gosta que mostrem a bunda à sua mulher. Se você quer um HQEH no momento mais baixo de sua vida, precisa vê-lo no balé. Na saída ele diz que até o porteiro é veado e que se enxergar mais alguém de malha justa, mata.

E o HQEH tem razão. Confesse, você está com ele. Você não quer que pensem que você é um primitivo, um retrógrado e um machista, mas lá no fundo você torce pelo HQEH. Claro, não concorda com tudo o que ele diz. Quando ele conta tudo o que vai fazer com a Feiticeira no dia em que a pegar, você sacode a cabeça e reflete sobre o componente de misoginia patológica inerente à jactância sexual do homem latino. Depois começa a pensar no que faria com a Feiticeira se a pegasse. Existe um HQEH dentro de cada brasileiro, sepultado sob camadas de civilização, de falsa sofisticação, de propaganda feminina e de acomodação. Sim, de acomodação. Quantas vezes, atirado na frente de um aparelho de TV vendo a novela das 8 — uma história invariavelmente de humilhação, renúncia e superação femininas — você não se perguntou o que estava fazendo que não dava um salto, vencia a resistência da família a pontapés e procurava uma reprise do Manix em outro canal? HQEH só vê futebol na TV. Bebendo cerveja. E nada de cebolinhas em conserva! HQEH arrota e não pede desculpas.


Se você não sabe se tem um HQEH dentro de você, faça este teste. Leia esta série de situações. Estude-as, pense, e depois decida como você reagiria em cada situação. A resposta dirá o seu coeficiente de HQEH. Se pensar muito, nem precisa responder: você não é HQEH. HQEH não pensa muito!

Situação 1

Você está num restaurante com nome francês. O cardápio é todo escrito em francês. Só o preço está em reais. Muitos reais. Você pergunta o que significa o nome de um determinado prato ao maître. Você tem certeza que o maître está se esforçando para não rir da sua pronúncia. O maître levará mais tempo para descrever o prato do que você para comê-lo, pois o que vem é uma pasta vagamente marinha em cima de uma torrada do tamanho aproximado de uma moeda de um real, embora custe mais de cem. Você come de um golpe só, pensando no que os operários são obrigados a comer. Com inveja. Sua acompanhante pergunta qual é o gosto e você responde que não deu tempo para saber. 0 prato principal vem trocado. Você tem certeza que pediu um "Boeuf à quelque chose" e o que vem é uma fatia de pato sem qualquer acompanhamento. Só. Bem que você tinha notado o nome: "Canard melancolique". Você a princípio sente pena do pato, pela sua solidão, mas muda de idéia quando tenta cortá-lo. Ele é um duro, pode agüentar. Quando vem a conta, você nota que cobraram pelo pato e pelo "boeuf' que não veio. Você: a) paga assim mesmo para não dar à sua acompanhante a impressão de que se preocupa com coisas vulgares como o dinheiro, ainda mais o brasileiro; b) chama discretamente o maître e indica o erro, sorrindo para dar a entender que, "Merde, alors", estas coisas acontecem; ou c) vira a mesa, quebra uma garrafa de vinho contra a parede e, segurando o gargalo, grita: "Eu quero o gerente e é melhor ele vir sozinho!

Situação 2

Você foi convencido pela sua mulher, namorada ou amiga — se bem que HQEH não tem "amigas", quem tem "amigas" é veado — a entrar para um curso de Sensitivação Oriental. Você reluta em vestir a malha preta, mas acaba sucumbindo. O curso é dado por um japonês, provavelmente veado. Todos sentam num círculo em volta do japonês, na posição de lótus. Menos você, que, como está um pouco fora de forma, só pode sentar na posição do arbusto despencado pelo vento.

Durante 15 minutos todos devem fechar os olhos, juntar as pontas dos dedos e fazer "rom", até que se integrem na Grande Corrente Universal que vem do Tibete, passa pelas cidades sagradas da Índia e do Oriente Médio e, estranhamente, bem em cima do prédio do japonês, antes de voltar para o Oriente. Uma vez atingido este estágio, todos devem virar para a pessoa ao seu lado e estudar seu rosto com as pontas dos dedos. Não se surpreendendo se o japonês chegar por trás e puxar as suas orelhas com força para lembrá-lo da dualidade de todas as coisas. Durante o "rom" você faz força, mas não consegue se integrar na grande corrente universal, embora comece a sentir uma sensação diferente que depois revela-se ser câimbra. Você: a) finge que atingiu a integração para não cortar a onda de ninguém; b) finge que não entendeu bem as instruções, engatinha fazendo "rom" até o lado daquela grande loura e, na hora de tocar o seu rosto, erra o alvo e agarra os seios, recusando-se a soltá-los mesmo que o japonês quase arranque as suas orelhas; c) diz que não sentiu nada, que não vai seguir adiante com aquela bobagem, ainda mais de malha preta, e que é tudo coisa de veado.

Situação 3

Você está numa daquelas reuniões em que há lugares de sobra para sentar, mas todo mundo senta no chão. Você não quis ser diferente, se atirou num almofadão colorido e tarde demais descobriu que era a dona da casa. Sua mulher ou namorada está tendo uma conversa confidencial, de mãos dadas, com uma moça que é a cara do Charlton Heston, só que de bigode. O jantar é à americana e você não tem mais um joelho para colocar o seu copo de vinho enquanto usa os outros dois para equilibrar o prato e cortar o pedaço de pato, provavelmente o mesmo do restaurante francês, só que algumas semanas mais velho. Aí o cabeleireiro de cabelo mechado ao seu lado oferece:

— Se quiser usar o meu...

— O seu...?

— Joelho.

— Ah...

— Ele está desocupado.

— Mas eu não o conheço.

— Eu apresento. Este é o meu joelho.

— Não. Eu digo, você...

— Eu, hein? Quanta formalidade. Aposto que se eu estivesse oferecendo a perna toda você ia pedir referências. Ti-au.

Você: a) resolve entrar no espírito da festa e começa a tirar as calças; b) leva seu copo de vinho para um canto e fica, entre divertido e irônico, observando aquele curioso painel humano e organizando um pensamento sobre estas sociedades tropicais, que passam da barbárie para a decadência sem a etapa intermediária da civilização; ou c) pega sua mulher ou namorada e dá o fora, não sem antes derrubar o Charlton Heston com um soco.

Se você escolheu a resposta a para todas as situações, não é um HQEH. Se você escolheu a resposta b, não é um HQEH. E se você escolheu a resposta c, também não é um HQEH. Um HQEH não responde a testes. Um HQEH acha que teste é coisa de veado.


Este país foi feito por Homens que eram Homens. Os desbravadores do nosso interior bravio não tinham nem jeans, quanto mais do Pierre Cardin. O que seria deste pais se Dom Pedro I tivesse se atrasado no dia 7 em algum cabeleireiro, fazendo massagem facial e cortando o cabelo à navalha? E se tivesse gritado, em vez de "Independência ou Morte", "Independência ou Alternativa Viável, Levando em Consideração Todas as Variáveis!"? Você pode imaginar o Rui Barbosa de sunga de crochê? O José do Patrocínio de colant? 0 Tiradentes de kaftan e brinco numa orelha só? Homens que eram Homens eram os bandeirantes. Como se sabe, antes de partir numa expedição, os bandeirantes subiam num morro em São Paulo e abriam a braguilha. Esperavam até ter uma ereção e depois seguiam na direção que o pau apontasse. Profissão para um HQEH é motorista de caminhão. Daqueles que, depois de comer um mocotó com duas Malzibier, dormem na estrada e, se sentem falta de mulher, ligam o motor e trepam com o radiador. No futebol HQEH é beque central, cabeça-de-área ou centroavante. Meio-de-campo é coisa de veado. Mulher do amigo de Homem que é Homem é homem. HQEH não tem amizade colorida, que é a sacanagem por outros meios. HQEH não tem um relacionamento adulto, de confiança mútua, cada um respeitando a liberdade do outro, numa transa, assim, extraconjugal mas assumida, entende? Que isso é papo de mulher pra dar pra todo mundo. HQEH acha que movimento gay é coisa de veado.

HQEH nunca vai a vernissage.

HQEH não está lendo a Marguerite Yourcenar, não leu a Marguerite Yourcenar e não vai ler a Marguerite Yourcenar.

HQEH diz que não tem preconceito mas que se um dia estivesse numa mesma sala com todas as cantoras da MPB, não desencostaria da parede.

Coisas que você jamais encontrará em um HQEH: batom neutro para lábios ressequidos, pastilhas para refrescar o hálito, o telefone do Gabeira, entradas para um espetáculo de mímica.

Coisas que você jamais deve dizer a um HQEH: "Ton sur ton", "Vamos ao balé?", "Prove estas cebolinhas".

Coisas que você jamais vai ouvir um HQEH dizer: "Assumir", "Amei", "Minha porção mulher", "Acho que o bordeau fica melhor no sofá e a ráfia em cima do puf".

Não convide para a mesma mesa: um HQEH e o Silvinho.

HQEH acha que ainda há tempo de salvar o Brasil e já conseguiu a adesão de todos os Homens que são Homens que restam no país para uma campanha de regeneração do macho brasileiro.

Os quatro só não têm se reunido muito seguidamente porque pode parecer coisa de veado.

Texto extraído do livro "As mentiras que os homens contam, Editora Objetiva - Rio de Janeiro, 2000, pág. 89.

A vida e a obra de Luis Fernando Verissimo estão em "Biografias"

Les recomiendo este artículo... Hernán Casciari. A el lo consiguen en; me lo recomendó mi amiga Valeria Foi, y me pareció más que merecido el referírselos antes que se me olvide.

De mogólicos, gallegos y demás gentilicios

Señor autor, me desagrada que utilice en sus textos, y tan a la ligera, la palabra ‘boludo’, pues se trata de una dolorosa enfermedad que no tiene nada que ver con lo que usted quiere representar. Mi marido tiene las bolas muy grandes pues padece de macroorquidismo, y sin embargo es un ser cariñoso, elegante y con un cociente intelectual elevado. Por supuesto, mi queja incluye también las voces ‘pelotudo’, ‘hinchabolas’, ‘bolastristes’ y otros calificativos derivados de las afecciones andrológicas comunes.

Esta carta no existe, acabo de inventarla. Pero sí es real esta otra que, muy parecida a una docena que hay en mi casilla de correos, dejó hace un rato una lectora de Orsai:
(...) una crítica: tengo un hermano mogólico y te aseguro que la elegancia de su caminar es admirable, su cara de retrasado reconfortante y la expresion de amor en su mirada inigualable. Así que creo que existen varios calificativos mejores para ponerle a (tus personajes).

Es extraño: cuando califico a un personaje de ficción como ‘boludo’ no recibo quejas de familiares o aludidos, en cambio cuando describo a un personaje como ‘mogólico’, sí aparecen diez o doce cartas aclaratorias, muy sensibles, explicándome todas las cosas buenas que son capaces de hacer, sentir y pensar los discapacitados mentales. ¿Por qué?

Una razón posible es que, por cálculo demográfico, haya más familiares de mogólicos que de boludos entre los lectores de textos. O quizás sea que el síndrome de Down resulte una dolencia más prestigiosa que el síndrome de Klinefelter. Pero no. No me parece que las razones sean ni cuantitativas ni se refieran a la calidad del síntoma. Creo que es, más bien, un equívoco semántico que tiene muy fácil resolución.

Cuando, en el habla coloquial, decimos mogólico, no estamos hablando del chico down. Nos estamos refiriendo a su hermana, y, por extensión, a cualquier persona que sienta la necesidad torpe de aclarar lo que nunca ha estado oscuro.

Del mismo modo, cuando decimos la palabra ‘boludo’, en nuestras cabezas no se aparece un señor con dos testículos desproporcionados, en una cama de hospital, gritando “por favor, Amanda, inyéctame un sedante en el escroto”. La palabra sólo nos remite a pensar en un tontón, en un pavote social que reincide en equívocos cotidianos como si las pelotas le pesaran. Sólo se trata de una pequeña metáfora oficializada y compartida.

Con la palabra ‘mogólico’ pasa exactamente lo mismo: nos referimos a un pavote que reincide en equívocos como si le faltara un golpecito de horno. (En este caso hay metáfora sobre metáfora, porque ‘golpecito de horno’ es también una comparación poética coloquial, al igual que ‘le faltan fósforos en la caja’ y ‘está jugando con nueve’.)

La diferencia entre ‘boludo’ y ‘mogólico’ es que el segundo vocablo —a pesar de ser compartido— no está aún del todo oficializado. Compartido significa, en este contexto, que todo el mundo entiende que no hay una referencia literal ni, por ende, peyorativa. Mientras que no oficializado representa que algunos no quieren que exista la metáfora. Se niegan a que se utilice, a que se propague y, sobre todo, a que quede por fin libre de malos entendidos.

Hace unos días un grupo de diputados del Bloque Nacionalista de Galicia (BNG) descubrió que, en el habla coloquial de Costa Rica, se le llama ‘gallego’ a una persona un poco tonta; mientras que en ciertas zonas de El Salvador le dicen así a los tartamudos.

A los diputados, antes que nada, les molestó la noticia:

—¡Los gallegos no somos tontos ni tartamudos! —dijeron a coro.

En realidad, debieron decir “no somos necesariamente tontos ni tartamudos” puesto que sí hay gallegos que son una, la otra, y hasta ambas cosas a la vez.

Lo que hicieron estos funcionarios nacionalistas es interesantísimo y grafica muy bien de lo que vengo hablando: presentaron un proyecto en el Congreso (proyecto aprobado, además) para pedir a la Real Academia de las Letras que elimine esas dos acepciones del diccionario. Es decir, no les molesta que se continúe llamado ‘gallegos’ a los tontos de Costa Rica: les molesta que la información se difunda y oficialice.

Los diputados nacionalistas gallegos (como ciertos familiares de personas enanas, o con down, o algunos calvos y un grupo de futbolistas millonarios negros) no están interesados en cambiar la percepción coloquial de su gentilicio o calificativo, no señor: sólo les importa que esta percepción no se vea reflejada en los archivos del habla.

Les importa un carajo que el objetivo de un diccionario sea reflejar lo que ocurre con la lengua, y nunca imponer o dictaminar qué debe ocurrir con ella. Ni siquiera es autoritario este proceder: es imbécil. Los diputados gallegos se merecen que la Asociación de Tartamudos de El Salvador (ATEL) le aconseje a la Real Academia que no se los llame ‘gallegos’, porque los ofende.

Aquí en España hubo un pequeño debate (pequeño por infantil, no por conciso) sobre otros usos y abusos del vocablo ‘gallego’ en América latina; llegué a escuchar por la televisión a un erudito (eso ponía el cartel) decir que “en la Argentina, por ignorancia, se le llama gallego a la totalidad de los españoles”. Y, por más extraño que parezca, después de decir semejante barbaridad el cartel seguía poniendo “erudito”.

Argentinos y uruguayos, sólo en el ámbito coloquial, nombramos ‘gallegos’ a todos los españoles porque somos propensos a la sinécdoque, que es una metáfora muy bonita que tiende a nombrar el todo usando sólo una de sus partes. Y somos tan conscientes de ello como aquel que dice ‘el pan de cada día’ refiriéndose a los alimentos en general, y no puntualmente la segunda baguette del supermercado. No es costumbre ni ignorancia, señor erudito de la lengua: es, si se me permite el romanticismo, poesía urbana rioplatense.

Muchas veces todos nosotros, todos y en cualquier región, recurrimos a la metáfora y a cierto tipo de comparación informal en el habla y el discurrir cotidianos. Y lo que decimos es sólo una representación libre de aquello que pretendemos señalar. Entre otras muchas cosas, de esta práctica nacen el poema, el piropo, la promesa política y, sobre todo, el apodo o sobrenombre (tan festivo en Latinoamérica como ofensivo en España).

Como es sabido, en la península no se le puede decir ‘negro’ a un negro. No porque ese color sea un insulto en sí mismo, sino porque no hay costumbre acariciadora en el uso del mote. En España los compañeros de escuela no se llaman a sí mismos chino, negro, colorado, ruso, vasco, rubio o petiso. Y si alguno lo hace, el otro le rompe la crisma. Al no ser capaz la sociedad de ese cariño grupal no excluyente, cualquier descripción —de color, altura, extensión, religión o raza— es provocación o racismo.

En “Cartas de color”, una parodia de Les Luthiers escrita por Roberto Fontanarrosa, nos decía el presentador respecto de una comunidad africana:
Yogurtu Mnghe era el joven más apuesto y hermoso de la tribu; su piel era tan oscura que en la aldea le decían ‘el negro’.

Este gran chiste será siempre muy festejado en el Cono Sur, pero mucho menos en culturas donde la palabra ‘negro’ no haya sido nunca un apodo cotidiano que se usa también (y sobre todo) con los blancos tostados, y casi con cualquier representante de la raza aria que tenga el pelo castaño.

Es de suponer que no debe valorarse la intención desde la perspectiva de la minoría doliente, cuando hacemos una metáfora referencial. Podemos decir y escribir, mientras el contexto nos lo permita y el espectador lo comprenda, de la forma que se nos antoje. De lo contrario, deberíamos enmudecer. Imaginemos, si no, la segunda acepción para la palabra ‘mogólico’ en el Diccionario de la Real Academia de Mongolia:

"- En occidente, persona con Síndrome de Down"

¡Eso sí que es peyorativo!

Yo creo que tiene mucho más derecho a queja un diputado nacionalista mogólico de Mongolia sobre la utilización de su gentilicio en Occidente, que no un diputado gallego sobre cómo tartamudea la gente tonta en América Central.

No es esto, sino lo otro...

¿Como es la vaina? ¿No es re-elección indefinida, sino continua? ¿Es decir, no es limonada, sino zumo de limón? No me jodan!!! Hay pocas cosas más peligrosas que la retórica cayendo en manos torpes...

Artículo para la extinta revista PLAY - Espías


Evaristo entró con todo el siglo posible. Eran las 2:16 de la
madrugada, y no quería voltear nigún jarrón y despertar a su mujer.
Caminó a tientas, y se frenó en seco cuando sintió en el cuello el
contacto de algo metálico y frío. Laura, su esposa, usó la mano que no
sostenía la Beretta y encendió la lampara que, a todas luces, Evaristo
iba a tumbar.

- ¿¡Laura?!
- Siento mucho que te enteres así, pero no tengo otro chance. No te muevas.
- ¡Pero...! ¿de donde sacaste esa pistola? ¿¡Por qué me estas apuntando!?
-Mi nombre no es Laura, es "Cheyenne". Trabajo para...
- ...¿Como el cantante?
Pum. Tiro en la pierna de Evaristo.

- No... ese es "ChAyanne". Trabajo para el MI9, una agencia de
inteligencia. Y trabajo ahí desde antes que nos casaramos. Escúchame
bien, porque con nueve años de casados o sin nueve años de casados, te
voy a tener que lastimar si no cooperas. Tengo que hacerte una
pregunta que no vas a querer responder. Pero necesito que me digas

Se oye que alguien engatilla otra pistola. Laura voltea.

- ¿¡Junior?! De donde sacaste...?
-.Oda mamá, oda papá. Mamá, deja ed devolver en el piso y pon das
manos en da cabeza, pofavó.
- No es un revolver, mi amor, es una pistola. Los revólveres tienen...
Pum. Tiro en la pierna de Laura. Evaristo ve extrañado a su hijo de 4 años.

- Hijo... le disparaste a mami.
- Escúchiame, apá... mami tdabaja para unos espías malos malos. Mi
gente me mandó, ¿ved-dad? pada que me infil... infelt...
- Infiltrara.
- Pada que me infiltdada, ¿ved-dad? y evitada que tu le dijedas lo que
ella te pdeguntó.
- Pero... pero... yo vi cuando tu saliste de su... yo vi el parto, y...
- Hoy en día, apá, la tednodogía de espionaje es muy adecha. Pedo si
no le dijiste nada a mami, tonse ta bien, podque...
Swisssshh. Dardo con sedante para elefante en el cuello de Junior.

- ¡¿Spike?!
- GrrrrrruaaafffhH!!! grrruuuuaughhfhrhffd!! mfffff!!
- Qué.. ya va, no puede...
- GRRRRRRRRRGArgaragrgghghrghgrhghgfff!!! GRGAGRgagrgargGHHG!!!
- ¿Qué? ¡¿Qué?! ¿Cómo sabes tú que yo trabajo allí? ¿¡COMO ES
Spike toma el revólver... perdón, pistola, la pistola de Laura, ya
inconsciente.. Apunta en el ojo a Evaristo.

- Grrruaff!! Grrruaff!! Grrruaff!! Grrruaff!! Grrruaff!!
- ¡¿Qué?! No sabía que supieras contar.
- Grrruaff!! Grrruaff!! Grrruaff!! Grrruaff!!
- ¡Espera Spike! ¡Cálmate!
- Grrruaff!! Grrruaff!! Grrruaff!!
- ¡Saca la patita del gatillo!!!
- ¡¡Grrruaff!! Grrruaff!!
- ¡¡¡No sé que quieres que te diga!!!!
-Grrruaff!! - dijo Spike mientras engatillaba la Beretta...
- ¡¡¡¡Está bien!!!!! ... te voy a dar la maldita frase que quieres
saber... ... ... ... ...

Nota del autor: ¿ Recuerdan un video de Radiohead, del tema "Just", en
el que decenas de personas le preguntan a un señor tendido en mitad de
la calle la razón de su postración? ¿Y su respuesta era insonora, en
"mute", después de 4 minutos de curiosidad? Así es este final.
Cuídense, musho rock.

i V á N m a T T a